25 janeiro 2017

Évora constituída placa giratória do turismo na Região do Alentejo Central

Os municípios do Alentejo Central preparam projeto global e integrado que coloca a cidade de Évora como interface do fluxo turístico regional.

Os municípios do Alentejo Central preparam projeto global e integrado que coloca a cidade de Évora como interface do fluxo turístico regional.

Numa conjuntura em que o turismo é cada vez mais um fator determinante na vida social, cultural e económica do Alentejo, importa acompanhar com especial acuidade a respetiva evolução, as caraterísticas que evidencia e sobretudo o tipo de resposta que exige das comunidades e instituições locais.

Neste quadro, os municípios do Alentejo Central, organizados em torno da sua estrutura representativa, a CIMAC, têm em preparação um projeto que designaram por «Centros de Acolhimento Turístico e Interpretativos de Évora e Alentejo Central», cuja candidatura é apresentada a financiamento público ao longo das suas diversas fases.

DSC_0031_reduz.jpg

O projeto foi apresentado e explicado publicamente ontem, dia 24, no Palácio de D. Manuel em Évora. Para além dos responsáveis pela respetiva conceção técnica, estiveram presentes o Presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, e os Presidentes das Câmaras Municipais em cujo território serão construídos os equipamentos que constituirão a primeira fase: Évora, Reguengos de Monsaraz e Montemor-o-Novo.

Segundo Hortência Menino, Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Novo e simultaneamente Presidente do Conselho Intermunicipal da CIMAC, o objetivo principal do projeto é o de criar estruturas que possam responder ao nível de exigência dos fluxos turísticos, nomeadamente no que se refere ao apoio geral, logística e informação qualificada sobre o que de melhor existe para mostrar. De acordo com o projeto apresentado, a cidade de Évora, como polo principal de atração de visitantes, será dotada de equipamento estrutural adequado a uma função informativa e interpretativa de potenciais destinos turísticos, direcionando os visitantes num âmbito geográfico regional. Desta forma, para além da própria cidade Património Mundial, será possível dar a conhecer os variados pontos de interesse histórico-cultural, natural e paisagístico que existem nos municípios da região, contribuindo para o respetivo desenvolvimento.

A Câmara Municipal de Évora esteve representada pelo Presidente do Executivo, Carlos Pinto de Sá e pela Vice-Presidente Élia Mira. O autarca eborense referiu a importância deste projeto para o desenvolvimento económico a nível regional, salientando que se trata de um trabalho que tem vindo a ser possível graças à capacidade de cooperação institucional de todas as entidades envolvidas, nomeadamente os municípios da região do Alentejo Central, a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e o tecido empresarial. Para além das instituições, tem havido a preocupação de envolver a população em geral, a quem se pedem contributos no sentido de valorizar o projeto.DSC_0011_reduz.jpg

Concretizando no que se refere às ações previstas, Carlos Pinto de Sá adiantou que o Centro de Acolhimento irá situar-se em torno da Praça 1º De Maio, estando já previstas obras de adaptação no Palácio de D. Manuel. Para além deste, serão envolvidos o Mercado 1º de Maio e o Centro de Artes Tradicionais.

Após os três primeiros: Évora, Montemor-o-Novo e Reguengos de Monsaraz, todos os outros municípios do Alentejo Central irão sendo envolvidos neste projeto, de forma a constituir-se um modelo de funcionamento integrado a nível regional.

Por fim foi reforçado o apelo por parte da CIMAC no sentido de envolver a população em geral para participar neste projeto. Para o efeito foi elaborada uma página na internet onde todos poderão inteirar-se das suas caraterísticas e acompanhar a respetiva evolução, dando também o seu contributo. Para o feito basta aceder a http://www.mostreoseualentejo.com/.​

_recort_final_reduz.png