26 março 2018

Évora foi Capital do Jazz Durante Três Dias

A primeira edição do Évora Jazz Fest terminou ontem, domingo, 25 de março. Foram três dias intensos no Teatro Garcia de Resende com espetáculos de assinalável qualidade, workshop's, apresentação de Combos, exposições e sessões de improviso, no bar Mói-te. A organização pertenceu à Câmara de Évora com produção da Euphonia.

A celebração do jazz contou com atuações de Diego El Gavi 5tet, P.L.I.N.T. - Pablo Lapidusas International Trio, e Mili Vizcaíno, Gene García 4tet (também autor da exposição Black Portrait), e Beatriz Nunes.

No último dia, na atuação da tarde, brilhou Gene Garcia 4tet, o cantor natural de Badajoz que se considera a ele próprio um "bluesman", um cantor de pele branca e coração negro. Para além do próprio Gene Garcia na voz, o quarteto é composto também por Peppin Muñoz na bateria, Enrique Tejado no contrabaixo e Pedro Calero no piano.

A noite fechou com Beatriz Nunes que apresentou o seu álbum "Canto Primeiro", a qual encerrou com mérito um festival que promete voltar no próximo ano. A sonoridade da jovem cantora de 28 anos, que passou pelo grupo Madredeus, oscila entre o jazz e a música erudita cantada em português com a sua voz suave e harmoniosa.

Sempre com o jazz como "epicentro", este festival pretende "criar um círculo onde a fotografia, a formação, a educação, o espetáculo, a pintura e o improviso giram em torno do jazz, ou dos vários jazzes". Eduardo Luciano, Vereador da Cultura da autarquia eborense, manifestou satisfação pela possibilidade de receber um evento que vem valorizar a oferta musical de qualidade na cidade e que se pretende capaz de criar raízes.