03 maio 2018

Diagnóstico Juvenil de Évora divulga primeiros resultados

A Câmara Municipal está a elaborar o Plano Municipal de Juventude de Évora, documento que visa planear o desenvolvimento e a implementação de políticas de juventude inovadoras de carácter global e transversal.
Nesta fase é de destacar o Diagnóstico Juvenil, um instrumento que resulta de uma importante parceria entre a Câmara Municipal e a Universidade de Évora, que visa conhecer os jovens entre os 15 e 29 anos, residentes e/ou estudantes ou trabalhadores no concelho, através da caracterização de diferentes dimensões das suas vidas, nomeadamente perfil demográfico, modos de participação escolar, práticas socioculturais e de intervenção cívica, comportamentos de risco e nível de satisfação com a vida e o futuro.
Com base numa recolha de dados realizada através de um questionário, aplicado nas escolas no final de 2017, a uma amostra aleatória de estudantes do ensino secundário, conclui-se que:
• Na avaliação do perfil sociodemográfico, onde 53% dos inquiridos são do sexo feminino, é importante salientar que 3 em cada 4 jovens vivem em agregados familiares compostos por 3 ou 4 pessoas, onde as mães possuem habilitações literárias superiores à dos pais; 
• Cerca de 1 em cada 5 jovens avalia o seu desempenho / participação escolar como “Muito Bom” ou “Excelente”, enquanto apenas aproximadamente 1 em cada 4 jovens avalia o seu desempenho como “Suficiente”, “Mau” ou “Muito Mau”, sendo importante de referir que consideram o aumento da motivação pessoal como o fator importante para melhorar o mesmo.
• Socioculturalmente 8 em cada 10 jovens do secundário referiu que o que gosta mais de fazer nos tempos livres é estar com os amigos, ouvir música e/ou estar com a família. Quase todos, 98%, frequentam redes sociais, com cerca de 8 em cada 10 jovens a referirem que utilizam o Youtube, Instagram, Messenger e/ou Facebook. 
• Em termos de práticas de intervenção cívica, 4 em cada 10 jovens pertencem a alguma associação/organização/clube, mas 2 em cada 3 jovens têm pouco ou nenhum interesse pela política. 
• Ter saúde, ser feliz na vida, ter um trabalho estável e ter uma relação estável são as experiências que praticamente todos os jovens desejam muito para os próximos 10-15 anos. A morte de alguém próximo, o desemprego e ser infeliz são experiências que os jovens mais temem nos próximos 10-15 anos. A maior parte dos jovens que residem no Concelho de Évora equaciona deixar de aí residir de forma permanente por duas razões principais: estudar ou trabalhar.
Este estudo conta com a colaboração do Conselho Municipal da Juventude, Escola Secundária Severim de Faria, Escola Secundária Andre de Gouveia, Escola Secundária Gabriel Pereira, Escola Profissional da Região Alentejo, Centro de Emprego e Formação Profissional de Évora e Grupo Diário do Sul.

O documento está disponível para consulta: