20 novembro 2018

Mia Couto apresentou em Évora o seu novo livro “A Águia e a Água”

O Salão Nobre da Câmara Municipal encheu ontem, dia 19, para assistir à sessão de apresentação pública do livro de Mia Couto "A Águia e a Água", o último trabalho a ser editado da autoria do consagrado escritor moçambicano. A receção oficial coube ao Presidente da Câmara Municipal, que agradeceu ao escritor pela sua obra, que reputou de importância determinante na divulgação da língua portuguesa pelo Mundo. O escritor teve a companhia da ilustradora Danuta Wojciechowska e do seu editor e velho amigo Zeferino Coelho.

Escrito em prosa poética, "A Águia e a Água" é um livro que, dirigido às crianças, acaba por atravessar todas as idades. Mia Couto recorre à diversidade linguística e vocabular que caracteriza a sua obra para contar metaforicamente o que fizeram as águias para vencer a sede e devolver a água ao vale e às montanhas.

O trabalho de ilustração tem a assinatura de Danuta Wojciechowska, uma canadiana há muito radicada em Portugal, que também é autora e ilustradora de livros para a infância, quase todos com uma temática fortemente ligada à natureza. Nesta colaboração com Mia, Danuta encontra um espaço para também ela refletir poeticamente sobre a água, temática que inspira frequentemente o seu trabalho, tendo em conta as marcas da infância passada próxima dos rios, lagos, florestas e montanhas.

A passagem de Mia Couto e Danuta Wojciechowska por Évora não se ficou pela apresentação do livro. Durante o dia tiveram lugar workshops na Escola Secundária Gabriel Pereira, onde professores de português, de história e professores bibliotecários, tiveram oportunidade de ouvir sobre a experiência de Mia e Danuta sobre "O que é Ilustrar Livros para Crianças", "O que é escrever Livros para Crianças" e sobre "A Literatura com História e a História com Literatura". Para os workshops a receção oficial esteve a cargo de Sara Dimas Fernandes, a Vereadora com o Pelouro da Educação, que agradeceu aos dois autores pela iniciativa, não deixando de salientar o caráter de Mia Couto que para além da excelência enquanto escritor, não se demite de ser socialmente interventivo.