11 julho 2016

Conversas em torno das pedras talhas: Núcleo de Interpretação do megalitismo de Évora

​Na próxima sexta-feira, dia 15 de Julho, pelas 21H00, a Câmara Municipal de Évora vai dar início a um ciclo de iniciativas visando a divulgação e animação do novo Núcleo Interpretativo do Megalitismo, sediado no Convento dos Remédios, reaberto em Abril último, após obra de remodelação e actualização do anterior Núcleo já ali existente.

A primeira iniciativa – Conversas em torno das Pedras Talhas - contará com a colaboração do arqueólogo António Carlos Silva e do Professor Galopim de Carvalho.

A primeira parte da iniciativa consistirá numa visita guiada ao novo Núcleo Museológico pelo arqueólogo António Carlos Silva, técnico da Direção Regional de Cultura do Alentejo, responsável pela Gruta do Escoural, ex-director do Serviço de Arqueologia do Sul. Nessa qualidade, e em colaboração com a Câmara Municipal de Évora promoveu, durante a década de 1990,  os "chamados circuitos megalíticos de Évora" com especial incidência no Cromeleque dos Almendres e na Anta Grande do Zambujeiro. Foi ainda coordenador dos trabalhos arqueológicos no Alqueva, entre 1996 e 2002 e das escavações no Castro dos Ratinhos, entre 2004 e 2007.

A segunda parte deste "serão megalítico", desenvolver-se-á em torno de uma conversa no Pátio das Romãs (pátio de entrada do Convento) com o Professor Galopim de Carvalho. Figura pública de grande relevo, o Professor Galopim de Carvalho à beira dos seus 85 anos, é sobretudo conhecido do grande público pelo seu papel de grande divulgador e defensor do património geológico e paleontológico português, mas o que poucos sabem é que Galopim de Carvalho tem também lugar cativo na história do património arqueológico eborense. Amigo e colega de liceu de Henrique Leonor de Pina, acompanhou e colaborou em vários trabalhos deste arqueólogo, a quem Évora deve a escavação da Anta Grande do Zambujeiro e a identificação do conhecido Cromeleque dos Almendres, nos anos 60 do século passado. Aliás, a folha da Carta Geológica de Évora, coordenada na época pelo próprio Galopim de Carvalho, inclui desde logo preciosa informação arqueológica sobre este território, graças à colaboração interdisciplinar entre estas duas grandes figuras da cultura científica alentejana.

Convidam-se, assim, todos os interessados a inscreverem-se no Posto de Turismo até às 15H00 do dia 14 (quinta-feira), garantindo, assim, o seu lugar numa iniciativa inédita, cujo interesse científico-cultural a Câmara Municipal de Évora não pode deixar de sublinhar.

Talhas.jpg