05 janeiro 2015

Águas Residuais

​Drenagem de Águas Residuais

As redes de drenagem de águas residuais ab​rangem a totalidade das áreas urbanas do Concelho.
Nas áreas não urbanas, não existem redes de esgotos, sendo a recolha feita por meio de dispositivos especiais autónomos, do tipo das fossas sépticas.​
Os coletores instalados para a drenagem das águas residuais apresentam 3 tipologias distintas, unitário, separativo e misto. 
Existe uma rede de coletores gerais que cobrem toda a malha urbana da Cidade e os Bairros na Área envolvente da Cidade. Estes coletores conduzem os esgotos para a rede de emissários, que se desenvolvem ao longo das principais linhas de água, nomeadamente a Ribeira da Turgela e o Rio Xarrama.
Nas entradas da rede de emissários, que recebem águas residuais dos coletores unitários existem descarregadores de tempestade, que procedem à descarga das águas diluídas em excesso para as linhas de água, sempre que ocorrem chuvadas mais intensas.
Os dois emissários principais, emissário de Leste, ao longo do Rio Xarrama e emissário de Oeste, ao longo da Ribeira da Turgela, conduzem todos os esgotos domésticos à ETAR de Évora, os quais encontram-se sob gestão da empresa Águas do Centro Alentejo.
A drenagem das águas pluviais é realizada para as linhas de água mais próximas. Assim, estas redes não são muito extensas, fazendo-se as  descargas  relativamente próximo das bacias drenadas.
As descargas são livres, no caso das redes separativas, ou com descarregadores de tempestade quando as redes são unitárias ou mistas.
As redes de drenagem dos aglomerados urbanos, sedes das Freguesias Rurais, cuja população residente é inferior a 1000 habitantes, são pouco complexas e têm extensões proporcionalmente curtas.
Na sua maioria têm sistemas separativos de drenagem e em apenas em duas situações (S. Manços e S.Miguel de Machede), sistemas mistos.
As redes existentes servem a totalidade da população residente em solo urbano, incluindo todas as sedes de freguesia e, ainda, alguns pequenos aglomerados ​tradicionais de pequena dimensão, nomeadamente S.Brás do Regedouro, Estação Alcáçovas e S. Vicente Valongo.

Tratamento de Águas Residuais

O tratamento de águas residuais das áreas urbanas do Concelho de Évora assenta em sistemas autónomos de drenagem que conduzem a ETAR’s, os quais estão sob ges​tão das Águas do Centro Alentejo.
Existem, no total, 15 sistemas de tratamento sendo 13 ETAR’s e 2 Fossas Sépticas.
Os processos de tratamento variam segundo as características da água bem como segundo os volumes, as condicionantes locais e necessidades existentes nas diferentes áreas urbanas.
No concelho são usados os seguintes processos: Lamas ativadas, Lagoas de Estabilização e  Fossa séptica com/sem órgão complementar.
A ETAR de Évora é do tipo Lamas ativadas, remodelada em 2005 estando previsto a curto prazo um ajuste do tratamento para afinação dos nutrientes.
O Volume das águas residuais tratadas nesta ETAR, corresponde a cerca de 80% do total tratado no concelho.​
As povoações rurais dispõem de diversos sistemas de tratamento, sendo os processos mais vulgares as lagoas de estabilização e lamas ativadas.​​


Documentos para consulta

Regulamento de Serviços de Saneamento de Águas Residuais Urbanas (aviso n.º 500/2016, publicado DR 2ª série, 18 de janeiro 2016).pdf