20 março 2020

Declaração do Presidente da CME

Declaração do Presidente do Município de Évora à população


Caras Concidadãs/os:


É importante deixar uma palavra sobre esta crise. Desde o início deste flagelo que o Município de Évora decidiu, como orientação, seguir as indicações da Direção-Geral da Saúde. Decidimos, também, articular a nossa atividade com as instituições regionais, a começar pelos outros municípios, no âmbito da CIMAC – Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central, que junta os 14 municípios do Distrito de Évora.


Fizemos uma primeira reunião, para a qual convidámos a Administração Regional de Saúde, onde ouvimos os esclarecimentos desta. Na sequência, decidimos elaborar planos de contingência para todos os municípios e reunir com os técnicos de saúde e segurança dos municípios para elaborar os planos de contingência e para saber as medidas a adotar do ponto de vista da saúde e da segurança, quer nos municípios, quer nos concelhos do Alentejo Central.


Essa reunião foi realizada dois dias depois e participaram todos os municípios. Na sequência, foram elaborados todos os planos de contingência para os vários municípios. No Município de Évora, o Plano de Contingência foi aprovado no dia 16 de Março e começou a ser implementado imediatamente.


Ainda ao nível regional, realizámos, na CIMAC, uma reunião onde juntámos as instituições com impacto e atividade na área da saúde no distrito de Évora. Nomeadamente, a Administração Regional de Saúde, o Hospital do Espírito Santo, a Segurança Social, a Proteção Civil, as forças de segurança (PSP e GNR) e os municípios pertencentes à CIMAC, onde estivemos a articular esforços, a coordenar as nossas ações e a perspetivar a evolução da doença.


Constatámos que esta doença vai prolongar-se - não é uma doença que se resolva num espaço curto de tempo – e, para isso, é necessário, naturalmente, olhar o prazo em que é previsível que a doença continue a acontecer para, a cada momento, nos podermos adaptar à sua evolução.


Em termos do Município de Évora, aprovado o Plano de Contingência, criámos uma equipa de coordenação constituída pelos principais dirigentes e pelos eleitos com Pelouros na Câmara Municipal e, ainda, uma equipa de saúde e segurança, constituída pelo médico, pelo enfermeiro e pelo técnico de saúde e segurança do Município.


Esta equipa tem como função dar respostas técnicas, quer aos trabalhadores do Município, quer de análise de medidas a adotar em cada serviço para responder a esta situação e ao que tem sido feito.


Quer a Equipa de Coordenação, quer a Equipa de Saúde e Segurança têm reunido sempre que necessário para decidir, em cada momento, e de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde, quais as medidas adequadas, quer internamente, quer para o Município, quer para o exterior.


As medidas que temos vindo a tomar têm exatamente essas características. São analisadas uma a uma, com base nas orientações da Direção-Geral da Saúde. Estamos agora a analisar o que vai acontecer com a declaração do estado de emergência e com as medidas que o Governo está a adotar.


A partir daqui, a nossa Equipa de Coordenação e a nossa Equipa de Saúde e Segurança vão reunir e adaptar as orientações do Governo às situações que temos em termos do Município e do Concelho de Évora.


Quero garantir que estamos a tomar todas as medidas necessárias com a serenidade e a contenção que esta situação exige, mas também com a preocupação que temos face a uma doença grave que nos está a afetar a todos. Para a ultrapassarmos, temos que perceber que estamos perante um combate de longa duração, em que precisamos de ir usando as armas à medida que essa evolução se verificar, de forma a conseguirmos não apenas combater a doença, mas derrotá-la. Temos confiança que é possível derrotá-la. Para isso, é necessário que haja a colaboração de todos e isso significa que cada um pode dar o seu contributo para que esta doença possa ser destruída dentro do prazo mais curto possível.​


Quero ainda aqui deixar um reconhecimento: em primeiro lugar, a todos os trabalhadores do Município que têm manifestado a sua disponibilidade para poderem trabalhar em áreas diferentes relativamente às suas funções habituais, no sentido de responderem às situações que estamos a viver.

 

Também um agradecimento e reconhecimento a todos aqueles - empresas, particulares - que se têm dirigido à Câmara Municipal manifestando a sua disponibilidade para colaborarem connosco, no sentido de encontrarmos as melhores soluções para responder às necessidades do Concelho, do Distrito e da Região. A todos, nós deixamos aqui esse reconhecimento.


À população, quero deixar uma palavra de confiança no sentido de que, em conjunto, podemos e estamos em condições de ultrapassar esta crise e de vencer esta doença.​


Mas, como disse, é algo que vai durar semanas e, porventura, meses. Para isso, temos de ter a consciência que, sendo uma longa luta, é também uma luta que temos condições para ultrapassar com a colaboração de todos, naturalmente, garantido que as questões essenciais do funcionamento da autarquia estão asseguradas e que há, aqui, um conjunto de serviços que garantimos que serão assegurados, aconteça o que acontecer. Nomeadamente, os serviços de água, saneamento, higiene e limpeza pública, proteção civil, veterinária e cemitério. São serviços que temos garantidos através de várias medidas e que vão continuar a ser prestados à população. A população pode contar com a Câmara para garantir esses serviços essenciais de forma a ultrapassarmos esta crise. Com a colaboração de todos, estamos em condições de vencer esta doença e de retomar, esperamos com vigor, aquilo que precisamos: a nossa vida social e económica para que o Concelho possa retomar os caminhos do desenvolvimento. Muito obrigado a todos!