Skip to main content

Festival de Música Contemporânea de Évora

Atualizado em 13/10/2021
4 Concertos | 1 Teatro Musical Comunitário | 1 Residência Artística | Momentos musicais pela cidade

O programa do Festival de Música Contemporânea de Évora será levado a cabo por cerca de duas dezenas de músicos de elevado reconhecimento nacional e internacional. 

O Síntese — Grupo de Música Contemporânea, sediado na Guarda, fará a abertura o do festival. É um dos ensembles portugueses mais ativos dedicados exclusivamente à interpretação de música dos nossos dias, com especial atenção à música de compositores portugueses ou residentes em Portugal.

Uma das atividades mais especiais deste programa, pelo envolvimento com a comunidade local, é o teatro musical “Bartolomeu, o voador”. É da autoria do compositor Jaime Reis e trata-se de uma homenagem a Bartolomeu de Gusmão e José Saramago. A sua interpretação envolve um coro comunitário com elementos do Coral de Évora e do Coro da Universidade de Évora. A direção musical é do Maestro Pedro Nascimento e a encenação de Paulo Alves Pereira, contando com uma equipa artística composta por alunos e professores na Escola de Artes da Universidade de Évora.

O Ensemble DME, ensemble residente do festival DME, tem maioritariamente dedicado o seu trabalho à interpretação da música erudita contemporânea. No seu concerto escutaremos a interpretação de uma obra seminal da corrente Espectralista, da autoria de Gérard Grisey — Vortex Temporum, e ainda uma estreia absoluta do compositor Amílcar Vasques-Dias.

O concerto de domingo à tarde focará um compositor que tem uma ligação especial com a cidade de Évora: Pedro Latas, jovem compositor natural desta cidade, actualmente a realizar os seus estudos em Haia (Holanda).

O festival fecha com o concerto do Quarteto Diotima, um dos mais conceituados quartetos de cordas da atualidade. O seu repertório abrange música desde o século XIX até aos dias de hoje, tendo trabalhado diretamente com alguns dos compositores mais marcantes da segunda metade do século XX, como Pierre Boulez e Helmut Lachenmann.

Dentro do programa a apresentar, destacamos uma estreia absoluta de Luis Naón, professor no Conservatório Superior de Música e Dança de Paris, para quarteto de cordas e electrónica, obra que requer um sistema imersivo de difusão de som, constituído por dezasseis colunas à volta da audiência.

PROGRAMA

15 de outubro | 21h30 | Síntese – Grupo de Música Contemporânea – Auditório Mateus d’Aranda, Universidade de Évora

O Síntese – GMC é um grupo de música de câmara modular e aberto, vocacionado para a criação de nova música. Desde a sua criação encomendou e estreou cerca de quarenta obras de compositores portugueses de diferentes gerações e visões estéticas. Desde 2006 tem vindo a organizar o ciclo homónimo “Síntese Ciclo de Música Contemporânea da Guarda”. Nas suas catorze edições este ciclo contou com nomes relevantes da cena musical contemporânea nacional e internacional, para além de um conjunto de actividades de natureza pedagógica e de enquadramento no meio social em que se realiza. No âmbito destes ciclos foram estreadas obras encomendadas aos compositores João Pedro Oliveira, Cândido Lima, Hugo Vasco Reis, Sérgio Azevedo, António Pinho Vargas, Pedro Amaral, Eduardo Patriarca, Christopher Bochmann, Amílcar Vasques Dias, José Carlos Sousa, Jaime Reis, Paulo Vaz de Carvalho, Anne Victorino de Almeida, Fernando Lapa, José Carlos Sousa, António Chagas Rosa, Vasco Mendonça, ngela Lopes, Sara Carvalho, Nuno Côrte-Real, ngela da Ponte, entre outros. Algumas destas obras foram gravadas nos dois CDs até agora editados pelo Síntese: “2010”, com obras de C. Bochmann, A. Vasques Dias, J. Carlos Sousa e E. Patriarca (2010) e “Poiesis”, com obras de A. Cha- gas Rosa, C. Bochmann, A. Pinho Vargas e F. Lapa (2019). O Síntese tem também colaborado na edição de gravações de música contemporânea, nomeadamente “Vio- la Solo e Electrónica Música de Compositores portugueses”, de João Pedro Delga- do (2015) e “Shout” de Carlos Canhoto (2016). O Síntese tem prevista para este ano ainda a gravação de um novo CD. O Síntese tem vindo também a divulgar a música que cria fora das fronteiras portuguesas, com concertos realizados em Espanha (Madrid e Badajoz), França (Estrasburgo) e com concertos previstos para 2022 no Brasil, Itália, Alemanha e Geórgia.

FICHA ARTÍSTICA
Carlos Canhoto, saxofones; Carisa Marcelino, acordeão; Gustavo Delgado, violino I; Alfeu Carneiro, violino II; João Pedro Delgado, viola; Rogério Peixinho, violoncelo; Helena Neves, soprano; Yan Mikirtumov, maestro

16 de outubro | 17h00 | Bartolomeu, o voado – Arena d’Évora

Jaime Reis (1983): Bartolomeu, o voador (2018); Teatro musical infantil para coro, narrador, flauta, clarinete, violino, violoncelo, piano e electrónica
Duração total: 00:45

FICHA ARTÍSTICA

Jaime Reis, composição; Paulo Alves Pereira, encenação; Pedro Nascimento, direção musical – coro; Mafalda Lopes, assistência de encenação; Núria Guedes, figurinos; Atelier Paula Vital, confecção dos figurinos; Fabrisio Canifa, desenho de luz.
Interpretação teatro:
Alex Istrate; Beatriz Fial; Catarina da Silva; Daniel Ribeiro; Danilsa Gonçalves; David Almeida; Gustavo Vasconcelos; Iuri Kruschewsky; Maria Galante Góis; Mariana Montenegro; Nuno Duarte; Rute Rocha Ferreira; Sofia Gonçalves.
Interpretação partes instrumentais:
Monika Streitová, flauta (1º andamento); Caio Rodrigues, electrónica; Eduarda Vieira, clarinete; Elisabel Acetosi, piano; Júlia Nunes, violino; Miguel Pires, percussão; Raquel Pernas, violoncelo; Rui Caeiro, flauta.

16 de outubro |21h30 | Concerto Ensemble DME – Vortex Temporum | Auditório Christopher Bochmann do Colégio Mateus                                                                 d’Aranda, Universidade de Évora

PROGRAMA
Amílcar Vasques-Dias (1945): Cal Viva ( Estreia Absoluta. Encomenda Festival DME/Câmara Municipal de Évora) (2021) para flauta e clarinete
Luis Naón (1961): Clairière (Estreia em Portugal) (2002) para clarinete e electrónica
Brian Ferneyhough (1943): Cassandras Dream Song (1970) para flauta solo
Gérard Grisey (1946-1998): Vortex Temporum III (1994 -1996) para piano e cinco instrumentos
Duração total: 1:00

17 de outubro | 15h00 | Concerto Jovem Compositor em Residência – Pedro Latas– Sala dos Espelhos do Colégio Mateus d’Aranda,                                                    Universidade de Évora

Pedro Latas (1998): Nova obra em estreia* (2021) seguido de conversa com o compositor.

Duração total: 00:45

SINOPSE

Para o Festival de Música Contemporânea de Évora, Pedro Latas quer analisar e reflectir sobre a sua relação com a música tradicional. Apesar de ter nascido e crescido numa área com uma tradiçãomusical muito própria e mundialmente reconhecida ele sente que não interagiu com ela de maneiraprofunda. Para ele a tradição musical do Alentejo é como uma névoa: rodeia-o constantemente masimpossível de tocar.
BIOGRAFIA
Nasceu em 1998, em Évora. Começou os seus estudos musicais em Guitarra Clássica no Conservatório Regional de Évora sob a orientação de José Farinha. Mais tarde muda para Composição e estuda com João Francisco Nascimento. Em 2016 ingressa na Escola Superior de Música de Lisboa, licenciatura em Composição, onde estuda com João Madureira e Carlos Caires. Após completar os estudos em Lisboa ingressa numa segunda licenciatura em Composição no Koninklijk Conservatorium Den Haag, Países Baixos. Aí estuda principalmente com oscompositores Yannis Kyriakides e Mayke Nas.
A sua prática artística foca-se na criação electroacústica e multimédia. Ele tenta explorar uma fracção das quase infinitas possibilidades que consegue gerar com recurso à manipulaçãoelectrónica e outros ambientes computacionais.
Recentemente tem-se vindo a focar nos campos de Network Music, Internet Art, Arte Telemática e sistemas participatórios, resultado directo da sua vivência em tempo de pandemia. As suas reflexões centram-se na reestruturação daquilo que é o espaço de performance, análise de interacções sociais nos espaços físicos e digitais, exploração de políticas de identidade dentro da World Wide Web e estudo da relação entre pessoa e computador.

17 de outubro | 21h30| Quarteto Diotima – Auditório Christopher Bochmann do Colégio Mateus d’Aranda, Universidade de Évora

PROGRAMA
Misato Mochizuki (1969): Brains (2016) Quarteto de cordas
Stefano Gervasoni (1962): Clamour (2014) Quarteto de cordas
Luis Naón (1961): Quarteto de cordas nº 3 (2021) Quarteto de cordas e electrónica
Estreia Absoluta. Encomenda Ircam-Centre Pompidou, ProQuartet – Centre européen de musique de chambre Paris, ICST – Institute for Computer Music and Sound Technology, com o apoio de Nicati – de Luze Foundation, creation 2021 (30′). Informática musical da obra realizada nos estúdios IRCAM-Centre Pompidou; produção de informática musical IRCAM: Augustin Muller.
Duração total: 01:00

FICHA ARTÍSTICA
Quarteto Diotima: Yun-Peng Zhao, violino I; Constance Ronzatti, violino II; Franck Chevalier, violeta; Pierre Morlet, violoncelo.
Augustin Muller, realização da informática musical; Clément Cerles, engenheiro de som

SITE:http://www.festival-dme.org/2021/09/festival-musica-contemporanea-evora-2021.html
ORGANIZAÇÃO:Escola de Artes da Universidade de Évora; Festival DME – Dias de Música Eletroacústica; Câmara Municipal de Évora
Redimensionar o tamanho da letra
Contraste