CoemoracaoDiaCidadeEducadora-bannerCME
Concurso « Árvores de Natal Recicladas 2021 »
Sorteio de Natal
Acompanhe, informe-se, participe
Pagamento Móvel – Plataforma iParque
App do Município
Serviço Online – ÁGUAS
Guia da Semana
Newsletter “Évora Local”
Newsletter “Évora Local”
Newsletter “Évora Local”
VOIR +
Présence
Journal
Nouvelles
(Português) Évora celebra 35 anos de Património Mundial

(Português) Évora celebra 35 anos de Património Mundial

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.Assinalou-se ontem, 25 de novembro, o 35.º aniversário da classificação do centro histórico de Évora como Património Mundial pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O Teatro Garcia de Resende foi o palco escolhido para as comemorações, com a realização de uma sessão evocativa que contou com intervenções do Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, do dirigente da Divisão de Cultura e Património da autarquia, Miguel Pedro, e da Diretora Regional da Direção Regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira. A importância da revisão e implementação de instrumentos de planeamento e gestão patrimonial foi tema comum nos discursos dos três oradores. A este respeito, Carlos Pinto De Sá lembrou que estão em desenvolvimento o Plano de Pormenor de Salvaguarda do Centro Histórico de Évora e a revisão do Plano de Urbanização. Para o autarca, os instrumentos de planeamento devem ser ambiciosos e céleres para não ficarem desatualizados e, em simultâneo, devem contribuir para simplificar a vida dos cidadãos. “A cidade é feita de compromissos mas também de ambição, com as pessoas em primeiro lugar”, sublinhou o Presidente da Câmara. A cerimónia finalizou com um apontamento musical pelo Quinteto de cordas da Orquestra do Alentejo e uma visita ao Teatro Garcia de Resende, guiada pelo diretor do CENDREV, José Russo. Recorde-se que, não obstante os trabalhos preparatórios da candidatura de Évora a património mundial se terem iniciado anos antes, o centro histórico desta cidade foi o segundo a ser reconhecido, em Portugal, como Património Mundial da Humanidade pela UNESCO (1986), depois de Angra do Heroísmo (1983). Na sua declaração de valor, esta organização considerou a capital alentejana como “o melhor exemplo de cidade da idade de ouro portuguesa, após a destruição de Lisboa pelo terramoto de 1755.” [gallery link=\"file\" size=\"full\" ids=\"29525,29526,29527,29528,29529,29530\"]
26 de novembre
(Português) Hortas Urbanas de Évora já dispõem de iluminação pública 100% a energia solar

(Português) Hortas Urbanas de Évora já dispõem de iluminação pública 100% a energia solar

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.As hortas urbanas de Évora, Horta do Monte de Santo António e Horta Comunitária do Forte de Santo António, estão agora iluminadas através de um sistema autossuficiente de abastecimento de energia elétrica, com fonte na captação e aproveitamento da radiação solar. Correspondendo positivamente a um desejo que vinha sendo manifestado pelos utilizadores das hortas urbanas, a Câmara Municipal de Évora concluiu na passada semana a instalação de iluminação pública nestes dois espaços comunitários. Foram instaladas no total seis colunas de braço duplo, o que corresponde a uma dúzia de luminárias, consideradas suficientes para permitir a circulação e a operação dos utilizadores em condições de visibilidade e segurança. Neste projeto merece destaque o facto de que a fonte de energia provém exclusivamente da captação de radiação solar através de painéis instalados em cada uma das colunas de iluminação. Utilizando a radiação captada durante o dia e transformada em energia guardada em baterias, o sistema tem capacidade para iluminar o espaço em permanência durante as primeiras cinco horas do período noturno. Durante o tempo restante até ao nascimento dia, o sistema desliga a iluminação em permanência, mas liga-se automaticamente quando acionados os sensores de movimento. A instalação de iluminação pública nas hortas urbanas de Évora tem origem no processo de gestão participada que tem vindo a ser implementado pela Câmara Municipal em conjunto com a população do Município, e representou um investimento total que rondou os 15.000,00 euros. Recorde-se a este propósito que a Autarquia, através de um programa desenvolvido no âmbito da CIMAC, procedeu recentemente à substituição das luminárias da iluminação pública da cidade por tecnologia LED, o que representou uma redução no consumo de energia superior a 70%.
26 de novembre
Em reunião pública de 24 de Novembro de 2021 Câmara de Évora relança processo de requalificação da ESAG

Em reunião pública de 24 de Novembro de 2021 Câmara de Évora relança processo de requalificação da ESAG

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.Requalificação da Escola Secundária André de Gouveia (ESAG): após anos de insistência junto do Governo para se concretizar a obra urgente de requalificação da ESAG, a Câmara Municipal relança o processo. Com base numa proposta feita pelos Vereadores eleitos pelo PS, foi consensualizada e aprovada uma posição da Câmara Municipal em que se propõe o relançamento do processo, através da cooperação entre o Município e o Ministério da Educação, de forma a mobilizar financiamentos da União Europeia e a dar urgência à elaboração do projeto técnico e, posteriormente, à obra - Aprovado por unanimidade. Abertura de Concurso para constituição de direito de superfície para construção e exploração de um Estádio de Futebol em parcela de terreno municipal sito em Évora. Esta proposta, apresentada pelo Presidente da Câmara Municipal, foi consensualizada ainda no anterior mandato - Aprovado por unanimidade. Criação de Central de Valorização Orgânica (Compostagem de Lamas) - Ampliação da ETAR de Évora (a Câmara cederá o terreno e a empresa Águas de Vale do Tejo realizará o investimento). Proposta apresentada pelos eleitos pela CDU e que transita do anterior mandato – Aprovada por unanimidade. Consensualizada a inclusão nas Opções do Plano e Orçamento para 2022, do processo para lançamento da iniciativa “Orçamento Participativo” bem como a consensualização sobre criação de grupo de trabalho para estudar o ordenamento da propaganda política no Centro Histórico de Évora, propostas iniciais da Vereadora eleita pelo Movimento Cuidar de Évora - Aprovado por unanimidade. Voto de felicitação à Associação Stone Boys Team pelos resultados alcançados (Kick Boxing), encontrando-se esta numa posição cimeira a nível nacional, apresentado pelo Vereador Alexandre Varela (CDU) – Aprovado por unanimidade. Votos de reconhecimento por Mérito Desportivo ao piloto eborense Luís Engeitado que se consagrou pela 4ª vez Campeão Nacional de Quads (Moto4), e a dois eborenses, João Caneto e Bruno Rentes, que concluíram a primeira edição da prova de atletismo “Portugal 1001 – Real Lendário”, numa maratona de 14 dias, entre Chaves e Sagres, propostos pela Vereadora eleita pelo Movimento Cuidar de Évora – Aprovado por unanimidade. Recomendação à Câmara Municipal para adoção de medidas de Segurança Rodoviária e Mobilidade – Prioridade aos Peões, proposta pela Vereadora eleita pelo Movimento Cuidar de Évora e que, no seguimento do trabalho em curso, nomeadamente, do Plano de Mobilidade, será considerada nas Opções do Plano para 2022. Foram ainda aprovados, por unanimidade, 45 processos no âmbito da gestão urbanística.   [gallery link=\"file\" columns=\"1\" size=\"full\" ids=\"29474\"]      
25 de novembre
(Português) Exposição e oficinas artísticas “A vida e a morte” visitáveis até final de Novembro

(Português) Exposição e oficinas artísticas “A vida e a morte” visitáveis até final de Novembro

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.Um grupo de crianças do Centro de Actividade Infantil de Évora, acompanhados das respetivas educadoras realizaram oficinas artísticas de pintura a partir de um projeto patente no Mercado Municipal. Trata-se de uma exposição e oficinas centradas na vida e a obra de Florbela Espanca e no seu poema “A Vida e a Morte” (escrito quando tinha 8 anos de idade). Foram recebidos por Filipa Jaques que lhes falou sobre esta temática e lhes pediu para pintarem um desenho sobre o que aprenderam. Um grupo de alunos do 12º ano da Escola Secundária Gabriel Pereira também realizou a oficina artística de desenho rápido e monotipias sobre papel de pano e participou na visita comentada à exposição. Recorde-se que esta iniciativa é dinamizada pela ATE-Produções em colaboração com a Câmara de Évora e estará patente até 30 de Novembro. Resulta de uma residência artística e apresenta obras com técnicas muito diferentes, produzidas por 8 artistas: Alexandra Barbosa (cinema e vídeo); Francisca Sousa (pintura e ilustração); Filipa Jaques (desenho e performance); Laura Calado (ilustração e pintura mural); Catarina Real (cruzamentos disciplinares); Joana Piçarra (fotografia); Beatriz Domingues (design e cinema) e Joana Calhau (fotografia).   As artistas Filipa Jaques e Joana Calhau conseguem adaptar a visita à exposição e a oficina artística ao público, desde crianças em idade pré-escolar a alunos do ensino básico e secundário, havendo ainda vagas para a oficina até ao dia 29 de Novembro.     [gallery link=\"file\" columns=\"5\" size=\"full\" ids=\"29426,29427,29428,29429,29430,29431,29432,29433,29434,29435,29436,29437,29438\"]
25 de novembre
(Português) Alunos das freguesias do concelho de Évora descobrem património local

(Português) Alunos das freguesias do concelho de Évora descobrem património local

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.A Câmara Municipal de Évora volta a dinamizar, de forma presencial, o Projeto 3P -  Projeto Municipal de Promoção do Património Local, após no último ano ter sido adaptado e funcionado à distância devido à pandemia. Este projeto pretende dar a conhecer o património local aos cerca de 200 alunos participantes, de 11 turmas de 1º ciclo do ensino básico de freguesias urbanas e rurais do concelho.   Neste sentido, duas turmas do 1º Ciclo do Ensino Básico, oriundas das Escolas do Frei Aleixo e de Nª Sª de Machede, realizaram a primeira visita guiada, feita por técnicos municipais, ao Centro Histórico de Évora no dia 23 de Novembro. As visitas prosseguirão até final deste mês com as restantes turmas: S. Manços, Azaruja, Comenda, Graça do Divor, Vendinha, Valverde, Sra. da Glória e 2 turmas de S. Mamede.   Foram também criados pela Autarquia mais de duas centenas de cartões que foram entregues aos alunos envolvidos para serem identificados como mini-investigadores do património.   Recorde-se que este projecto tem como principais objectivos identificar, conhecer e promover o património cultural do território envolvente das escolas do 1.º CEB do concelho e promover a partilha de conhecimentos através do intercâmbio estabelecido entre os alunos das freguesias rurais e urbanas.   Visa igualmente contribuir para uma maior motivação dos alunos na aprendizagem, promovendo pontos de contacto entre várias instituições, com vista ao desenvolvimento de ações educativas fora do espaço escolar e iniciativas em diferentes locais, tendo o património como agente educador, de modo a torná-lo mais próximo e vivido por todos​. [gallery link=\"file\" columns=\"5\" size=\"full\" ids=\"29423,29420,29419,29418,29417,29416,29415,29414,29413,29412\"]                        
25 de novembre
(Português) ARRANCA EM ÉVORA CAMPANHA DE INCENTIVO À COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

(Português) ARRANCA EM ÉVORA CAMPANHA DE INCENTIVO À COMPOSTAGEM DOMÉSTICA

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.Designada por “Missão Cascas Solidárias”, a campanha tem como objetivo imediato promover a prática da compostagem doméstica. O processo tem como base a distribuição de compostores gratuitamente e por tempo indeterminado a todos os munícipes que possuam jardim ou terreno na sua habitação, e manifestem interesse na prática da compostagem. O objetivo final será a redução da quantidade de resíduos orgânicos presentes nos contentores de lixo dos lares familiares e instituições. Mediante um acordo de compromisso entre a entidade promotora e o munícipe aderente que obriga ao cumprimento de algumas regras básicas, esta fornece, para além de um compostor com 300 litros de capacidade, um kit que inclui guia com as informações essenciais para a respetiva utilização e para a prática da compostagem doméstica e acesso ao grupo privado dos “replantadores” no Facebook. A campanha “Missão Cascas Solidárias” é promovida pela GESAMB - Gestão Ambiental de Resíduos EM – e estende-se aos doze concelhos do distrito de Évora abrangidos por este projeto, entre os quais se inclui o Concelho de Évora. Os interessados poderão obter mais esclarecimentos e inscrever-se através do preenchimento de uma ficha/pedido que poderá ser obtida no site ou oficial da GESAMB em www.gesamb.pt [gallery link=\"file\" columns=\"2\" size=\"full\" ids=\"29393,29391\"]  
25 de novembre
(Português) Vida eborense nos anos 30 e 40 do século XX retratada no novo livro de Galopim de Carvalho

(Português) Vida eborense nos anos 30 e 40 do século XX retratada no novo livro de Galopim de Carvalho

Désolé, cet article est seulement disponible en Portugais Européen.António Galopim de Carvalho apresentou, ontem, na Biblioteca Pública da cidade, o livro \"Évora anos 30 e 40\", a sua obra mais recente. Sala cheia para escutar uma lenda viva da Geologia portuguesa que, aos 90 anos de idade e dono de uma memória invejável, continua a ser um extraordinário contador de estórias. O livro, apresentado pelo antigo Presidente da Autarquia e Doutor Honoris Causa pela Universidade de Évora, Abílio Fernandes e, também, por Francisco Bilou, do Museu de Évora e amigo do autor, é composto por “uma série de crónicas da vida que aqui se viveu nestas duas décadas do século passado.” Com o Presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto De Sá, na plateia, Galopim de Carvalho clarificou que tudo o que escreveu neste livro foi de memória, sem recurso a qualquer tipo de pesquisa, explicando que “o significado histórico destas crónicas está limitado ao que foi o meu espaço geográfico e ao meu mundo familiar, de amigos e conhecidos, e é subjetivo, na medida em que depende da avaliação pessoal que fiz e assimilei. A componente ficcional diluída nalgumas destas prosas, por meras razões de uma certa intencionalidade poética, não adultera a realidade física e social da cidade de então.\" O “pai dos dinossauros em Portugal”, como é também carinhosamente conhecido pelo seu trabalho de Paleontólogo, revelou que esta publicação reúne “os muitos textos que dei à estampa, em livros e revistas, e outros que escrevi nas redes sociais. Estruturados numa única obra, constituem tentativa de ensaio de pendor essencialmente etnográfico e sociológico, visando, sobretudo, a parte da cidade que conheci e uma parcela significativa da comunidade urbana, nesses anos da primeira metade do século XX.” Percorrendo os seus anos de infância e adolescência em Évora, Galopim de Carvalho deliciou o público presente com o relato de inúmeros episódios das suas vivências nos vários locais em que habitou: nasceu na rua de Frei Brás, foi aprendiz de carpinteiro na rua do Segeiro, aprendeu a fazer queijos na Porta Nova e foi sapateiro na rua do Salvador. Andou ainda numa escola de toureio que deixou quando levou “uma grande marrada”, contou divertido. Antes de ser Geólogo foi ainda Tenente e empregado de escritório. António Marcos Galopim de Carvalho, nascido em Évora em 1931, é Professor Catedrático Jubilado na área de Geologia. Foi responsável científico de numerosos projetos de investigação nas áreas de Geologia Marinha e de Paleontologia, sendo também autor de várias obras de carácter científico, bem como de obras de divulgação e ficção. Em 2001 a Câmara Municipal de Évora atribuiu-lhe a Medalha de Mérito Municipal – Classe Ouro. É patrono da Escola Básica do Bacelo e foi-lhe concedido, em 2018, o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Évora. A organização da iniciativa pertenceu à Câmara Municipal de Évora em conjunto com a Biblioteca Pública de Évora e a editora Âncora. [gallery link=\"file\" size=\"full\" ids=\"29374,29375,29376,29377,29378,29380,29379\"]
24 de novembre
Documenti
Expérience
Accès rapides
Central Alentejo

CIMAC

A Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central é uma pessoa coletiva de direito público de natureza associativa e âmbito territorial e visa a realização de interesses comuns aos municípios que a integram.
www.cimac.pt
(Português) Nome
(Português) Email
Téléchargez notre appli